Livro Grátis - Prosperando em meio à crise - Prosperidade na Bíblia -

Livro Grátis – Prosperando em meio à crise – Prosperidade na Bíblia

Evangelho - Rapaz orando por um homem
O que é o evangelho?
29 de junho de 2020
Jovens lendo a bíblia
Como pregar para jovens de maneira eficiente
7 de julho de 2020

Livro Grátis – Prosperando em meio à crise – Prosperidade na Bíblia

Ebook-Prosperando-em-meio-a-Crise

Exemplos de Superação na Vida de Isaque e entendendo a Prosperidade na Bíblia

Clique no link para download.

Prosperidade na Bíblia é umtema bastante recorrente, aprenda com a vida de Isaque como desfrutar as bençãos prometidas pelo Palavra de Deus

ISAQUE EM GERAR E EM BERSEBA

A Fome e as Suas Consequências

O primeiro versículo deste capítulo está ligado ao capítulo 12. “E havia fome na terra, além da primeira fome, que foi nos dias de Abraão.” As provações que o povo de Deus encontra na sua carreira são muito semelhantes; e têm sempre por fim mostrar até que ponto o coração tem achado o seu tudo em Deus. E uma coisa difícil — uma coisa rara — andar em tão doce comunhão com Deus que, como consequência, se seja de todo independente das coisas e pessoas. Os egípcios e os homens de Gerar que habitam à nossa direita e à nossa esquerda representam grandes tentações, quer seja para nos afastarem do caminho reto, quer para nos fazerem paralisar na nossa verdadeira posição de servos do Deus vivo e verdadeiro. “Por isso foi-se Isaque a Abimeleque, rei dos filisteus, em Gerar”.

Existe uma diferença notável entre o Egito e Gerar. O Egito é a expressão do mundo nos seus recursos naturais, e sua independência de Deus. “O meu rio é meu” (Ez 29:3), é a linguagem de um egípcio que não conhecia a Deus, e não pensou em esperar n’Ele em coisa alguma. O Egito era, geograficamente, muito mais longe de Canaã do que Gerar; e, moralmente, fala da condição da alma longe de Deus. Gerar é mencionada no capítulo 10 da seguinte maneira: “E foi o termo dos cananeus desde Sidom, indo para Gerar, até Gaza; indo para Sodoma, e Gomorra, e Afama, e Zeboim, até Lasa” (versículo 19). Sabemos que “desde Gerar a Jerusalém era caminho de três dias”. Gerar era, portanto, comparada com o Egito, uma posição avançada; ainda assim, estava ao alcance de influências perigosas. Abraão encontrou lá dificuldades, e do mesmo modo Isaque, como vemos neste capítulo, e, também, da mesma forma. Abraão negou a sua mulher, e o mesmo faz Isaque. Isto é muito grave. Ver o pai e o filho caírem no mesmo pecado, no mesmo lugar, mostra-nos, claramente, que a influência desse lugar não era boa.

Não tivesse Isaque ido a Abimeleque, rei de Gerar, e não teria tido necessidade de negar sua mulher; mas a verdade é que o mais leve descuido quanto à verdadeira norma de comportamento aumenta a fraqueza espiritual. Foi quando Pedro se aquecia à fogueira do sumo-sacerdote que negou o seu Mestre. E evidente que Isaque não se sentia feliz em Gerar. E verdade que o Senhor diz-lhe: “Peregrina nesta terra”; mas quantas vezes o Senhor dá instruções ao Seu povo moralmente convenientes para as condições em que Ele sabe que eles se encontram, e que são calculadas também para os despertar a um verdadeiro sentido das condições? Ele deu indicações a Moisés em Números 13 para mandar homens espiarem a terra de Canaã; mas se eles não se encontrassem numa situação moral baixa tal passo nunca teria sido necessário. Sabemos bem que a fé não necessita de “espiar” aquilo que as promessas de Deus nos asseguram. Além disso, Deus deu instruções a Moisés para escolher setenta anciãos, para o ajudarem no trabalho; todavia, se Moisés tivesse entendido plenamente a dignidade e bem-aventurança da sua posição, nunca teria necessitado dessas instruções. Do mesmo modo aconteceu com a eleição de um rei em 1 Samuel, capítulo 8. Os israelitas não precisavam de um rei. Por isso, devemos ter sempre em consideração as condições de um indivíduo ou de um povo a quem são dadas instruções antes de podermos formar um juízo correto quanto a essas instruções.

Em Gerar: uma Posição Errada

Mas poderá dizer-se, se a posição de Isaque em Gerar era má, como é que nós lemos: “E semeou Isaque naquela mesma terra e colheu, naquele mesmo ano, cem medidas, porque o SENHOR O abençoava”?- A minha resposta é que nunca podemos julgar a situação de uma pessoa como própria pelas suas circunstâncias prósperas. Já tivemos ocasião de acentuar que há uma grande diferença entre a presença do Senhor e a Sua bênção. Muitos têm a bênção do Senhor sem a Sua presença; e além disso, o coração é propenso a confundir uma coisa com a outra — propenso a confundir a bênção com a presença, ou, pelo menos, a argumentar que uma coisa deve acompanhar a outra. Mas isto é um grande erro. Quantas vezes não vemos nós pessoas rodeadas de bênçãos de Deus que nem têm nem desejam a Sua presença? E muito importante vermos isto. Um homem pode engrandecer- se até se tomar mui grande, e ter possessão de ovelhas, e possessão de vacas e muita gente de serviço (versículo 14), e ao mesmo tempo não ter o gozo pleno e livre da presença do Senhor consigo. Rebanhos e manadas não são do Senhor. São coisas devido às quais os filisteus podiam invejar Isaque, ao passo que eles nunca o teriam invejado por causa da presença do Senhor. Ele poderia gozar a mais doce e mais rica comunhão com Deus, e os filisteus nada entenderem a esse respeito, simplesmente porque não tinham coração para compreender ou apreciar uma tal realidade. Eles podiam apreciar ovelhas, vacas, servos, e poços de água; porém não podiam apreciar a presença divina.

Em Berseba: a Restauração

Todavia, Isaque, por fim, deixa os filisteus e dirige-se a Berseba. “E apareceu-lhe o SENHOR naquela mesma noite e disse: Eu sou o Deus de Abraão, teu pai. Não temas, porque eu sou contigo, e abençoar-te-ei” (versículo 24). Note-se que não se trata apenas da bênção de Deus, mas do Próprio Senhor. Por quê? Porque Isaque havia deixado os filisteus com toda a sua inveja, contenda e disputas e ido para Berseba. Aqui o Senhor pôde mostrar-Se ao Seu servo. A bênção da Sua mão liberal podia segui-lo durante a sua peregrinação em Gerar; mas a Sua presença não podia ser gozada ali. Para podermos gozar da presença de Deus devemos estar onde Ele está, e certamente o Senhor não pode ser encontrado entre as contendas e disputas de um mundo ímpio; por isso, quanto mais cedo um filho de Deus sair de um tal estado de coisas, tanto melhor. Isaque assim o verificou. No seu espírito não havia paz; e incontestavelmente ele não servia, de modo nenhum, aos filisteus peregrinando entre eles. E um erro muito vulgar supor-se que servimos os homens do mundo misturando-nos com eles nos seus caminhos e andando na sua companhia. O único meio de os servirmos é permanecermos à parte deles no poder da comunhão com Deus, e assim mostrar- lhes o padrão de um caminho mais excelente. Só assim poderemos conhecer a Prosperidade na Bíblia como ela é.

C.H. Makintosh
Comentários sobre o Pentateuco

Prosperidade na Bíblia

As pessoas tem uma ideia errada de prosperidade, geralmente ligando o conceito de prosperidade a riqueza e bens, na verdade não é isso que a Bíblia nos promete. A Prosperidade na Bíblia está mais relacionada a paz e alegria do que em riqueza.





Moody

Creio que você vai gostar também do E-book Apresentando ao Senhor Nossos Questionamentos

Até a próxima! Que Deus te abençoe.

Siga-me nas redes sociais:



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *