Efésios - Vencendo a velha natureza

Vencendo a velha natureza – Efésios

Efeito Salvação - Justificação e Santificação
Efeito Salvação
11 de outubro de 2020

Vencendo a velha natureza – Efésios

Efésios - E-book grátis Vencendo a Velha Natureza

Estudo sobre Efésios

Efésios - E-book grátis Vencendo a Velha Natureza

Efésios – Vencendo a velha natureza é um ebook que trata da Caminhada Diferente do cristão. 4:17-32.

As Escrituras, tanto no Velho como no Novo Testamento, enfatizam que o povo de Deus tem de ser diferente do povo do mundo.

1) Descrição da Caminhada dos Gentios. 4:17-19.

Os gentios são “ovelhas desgarradas” (I Pe. 2:25; cons. Is. 53:1). Os crentes têm um grande e bom Pastor para seguirem.

17. Isto, portanto, digo. A caminhada cristã foi descrita de diversos modos nesta passagem. Temos aqui uma descrição negativa. Testifico. Protesto, exorto, ou imploro. Não mais andeis. Agora suas vidas têm de ser diferentes. Como andam também os outros gentios. (E.R.C.). Esse andar foi descrito em 2:2.

A maior parte dos efésios tinham antecedentes gentios. Alguns manuscritos não trazem a palavra outros. Portanto, que não mais andeis como também andam os gentios. Diante de Deus, os crentes no Senhor Jesus Cristo já não são mais nem judeus, nem gentios (cons. I Co. 10:32). Na vaidade dos seus próprios pensamentos. A palavra que foi usada para vaidade parece significar perversidade ou depravação nesta instância.

18. Obscurecidos de entendimento. Cons. II Co. 4:4. Alheios à vida de Deus. Cons. 2: 12. Dureza dos seus corações. Literalmente, percepção obtusa (cons. Mc. 3: 5).

19. Tornado insensíveis. Cons. I Tm. 4:2. Impureza. Não apenas indulgência com a impureza, mas também um desejo cúpido de prosseguir nela. Uma declaração pitoresca da natureza insaciável do desejo pecaminoso. 

2) O Despojar do Velho e o Revestir do Novo. 4:20-24.

A Vida Cristã é comparada com o tirar de uma roupa para vestir outra. Não é uma referência à nossa posição em Cristo, mas à nossa experiência. É possível ser um novo homem em Cristo Jesus e continuar vivendo como o “homem velho”, isto é, continuar usando a roupa do “homem velho”.

20. Mas. Um contraste com o precedente. Não foi assim que aprendestes a Cristo. Essa é a mais importante de todas as matérias que alguém pode estudar.

21. Se é que de fato o tendes ouvido, e nele fostes instruídos, segundo é a verdade em Jesus. Aquilo que eles aprenderam depois de ouvirem sobre o Senhor Jesus Cristo deveria tê-los feito melhorar suas vidas, pois cristãos devem agir como cristãos, não como os pagãos que não são cristãos.

22. Quanto ao trato passado . . . do velho homem. Isto é, a natureza adâmica, aquilo que somos em nós mesmos. Que se corrompe segundo as concupiscências do engano. As Escrituras ensinam que na velha natureza não existe nada de bom (cons. Rm. 7:18).

23. E vos renoveis. Cons. Rm. 12:2.

24. E vos revistais do novo homem. Relacionado com o precedente, o produto do novo nascimento. Com referência ao conflito entre a natureza velha e a nova, veja Rm. 7 e Gl. 5:16, 17. Segundo Deus. De acordo com Deus é o Criador do novo homem.

3) Aplicação Prática. 4:25-32.

Em Sua Palavra, Deus nunca ensina a verdade de maneira abstrata, mas sempre faz uma aplicação concreta.

25. Por isso. Com base no precedente; isto é, nossa posição em Cristo. Deixando a mentira. Observe o negativo e o positivo. Não basta simplesmente nos abstermos da mentira; é preciso também contar a verdade (cons. Zc. 8:16). Somos membros. Não apenas membros de Cristo, mas uns dos outros (Rm. 12:5).

26. Irai-vos, e não pequeis. Há uma coisa chamada de ira justa, embora o termo tenha sido muito abusado. O apóstolo diz que se você está irado, certifique-se de que é o tipo de ira que não é pecaminoso.

Não se ponha o sol sobre a vossa ira. “Até mesmo a ira justa quando sofre tolerância excessiva transforma-se muito facilmente em pecado” (Salmond).

27. Não deis lugar ao diabo. Cons. II Co. 2:10, 11; Efésios. 6:10 e segs.

28. Antes trabalhe. O cristão, além de não dever roubar, deve também trabalhar pelo bem-estar seu e de sua prática. As Escrituras recomendam o trabalho honesto (cons. I Ts. 4: 11. 12). Na verdade, o apóstolo afirma que aquele que não quiser trabalhar não deve comer (II Ts. 3: 10). Acudir ao necessitado. Eis aí a base da genuína caridade cristã.

29. Nenhuma palavra torpe. A palavra traduzida para torpe significava originalmente podre ou pútrido. Vemos novamente a enfatização do positivo – unicamente a que for boa.

30. E não entristeçais o Espírito de Deus. Aquilo que entristece o Espírito Santo é pecado. O remédio é a confissão (cons. I Jo. 1:9). Embora o Espírito Santo possa ser entristecido, Ele jamais abandona o crente. Ele é o nosso selo. Fomos selados por Ele para o dia da redenção (cons. Efésios. 1:13). Ele é a garantia de que a nossa redenção será completada.

31. Alguns dos pecados que entristecem o Espírito Santo são agora particularizados. Embora alguns cristãos só classificariam de pecados aquelas iniqüidades grosseiras que até mesmo o mundo reconhece como erro. Deus menciona coisas da mente e do espírito, além daquelas relacionadas com o corpo.

32. O tema do despojar e do revestir destaca-se através de toda a seção. Viver a vida cristã não é simplesmente obedecer a uma lista de proibições; é cultivar virtudes positivas.

Sede uns para com os outros benignos. O verbo aqui significa continuar revelando-se benigno. Compassivos. A tradução inglesa é muito boa (de coração compassivo). A palavra no original tem sido muito mal interpretada, conforme se vê de sua freqüente tradução, noutras passagens, como entranhas. “Coração” é o certo.

No grego clássico essa palavra se refere aos órgãos da parte superior da cavidade do corpo; especificamente o coração, pulmões e fígado, distinguindo-se dos órgãos da cavidade inferior (veja léxico).

Perdoando-vos uns aos outros. A única maneira de sermos capacitados a perdoar é através do perdão que nós mesmos já recebemos por amor a Cristo. Assim como o amor de Deus produz o nosso amor, a nossa tomada de consciência do perdão de Deus produz o nosso perdão aos outros (cons. I Jo. 4: 19).

Moody

O apóstolo encarrega aos efésios, em nome e pela autoridade do Senhor Jesus, que tendo professado o Evangelho, não devem ser como os gentios inconversos que andavam na vaidade de suas mentes e nos afetos carnais. Não andam os homens na vaidade de sua mente por todas partes?

Não devemos, então, enfatizar a distinção entre os cristãos reais e os nominais? Eles estavam desprovidos de todo conhecimento salvador; estavam em trevas e as amavam mais que à luz. Odiavam e aborreciam a vida em santidade, que não somente é o caminho de vida que Deus exige e aprova, e pelo qual vivemos para Ele, senão que tem alguma semelhança com o próprio Deus em sua pureza, justiça, verdade e bondade. A verdade de Cristo se manifesta em sua beleza e poder quando aparece em Jesus.

A natureza corrupta se chama homem; como o corpo humano tem diversas partes que se apóiam e fortalecem entre sim. Os desejos pecaminosos são concupiscências enganosas; prometem felicidade aos homens, porém os tornam mais miseráveis; os conduzem à destruição, se não se submetem e mortificam.

Portanto, devem eliminá-las como roupa velha e suja; devem ser submetidos e mortificados. Mas não basta que eliminar os princípios corruptos: devemos ter princípios de graça. Pelo novo homem significa-se a nova natureza, a nova criatura, dirigida por um princípio novo, a graça regeneradora, que capacita  homem para levar uma vida nova de justiça e santidade. Isto é criado ou produzido pelo poder onipotente de Deus.

Mattew Henry

Creio que você vai gostar também E-book Efeito Salvação

Até a próxima! Que Deus te abençoe.

Siga-me nas redes sociais:



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *